Suspeito encomendava dinheiro falso de dentro do presídio de Osório

imageA Polícia Federal deflagrou na manhã de ontem (30/6) a Operação Inkjet II, para desarticular esquema de falsificação de moeda nacional, no RS. A estimativa é que cerca de R$ 100 mil eram fabricados a cada mês e distribuídos para todo o Brasil.

Foram cumpridos dois mandados de prisão preventiva, dois de busca e apreensão e dois de condução coercitiva nas cidades de Porto Alegre, Osório (RS) e Guapó (GOA). Na cidade litorânea, um suspeito de integrar o esquema teve a prisão preventiva decretada, mas já cumpria pena na Penitenciária Modulada Estadual de Osório. Ele era um cliente que encomendava o dinheiro com frequência.

As investigações foram iniciadas em maio deste ano. Com apoio dos Correios, diversas correspondências enviadas, a partir de Porto Alegre, com cédulas falsas foram retidas. O trabalho da PF levou à identificação do suspeito, responsável pela produção das notas.  Ele já havia sido preso pela PF em 2010, na Operação Inkjet, e condenado pela Justiça Federal por falsificação de moeda.

Em Goiás, um jovem negociava em redes sociais as notas fabricadas em Porto Alegre, que eram remetidas para diversos estados brasileiros. Desde o início das investigações, foram apreendidos mais de R$ 25 mil em notas falsas e realizada uma prisão em flagrante, em 9 de junho, com apoio da Brigada Militar.

A falsificação investigada é classificada como de ótima qualidade pelos policiais federais. Notas de praticamente todos os valores foram apreendidas, com predominância da cédula de R$ 20.

Para o crime de moeda falsa há previsão de pena de 3 a 12 anos de prisão. As investigações prosseguem para identificar e responsabilizar outras pessoas envolvidas.

PF