Saúde mantém suspensão ao uso de larvicida em água potável

Medida foi tomada como precaução no sábado e discutida nesta segunda-feira com demais secretarias estaduais - Foto: Priscila da Silva/SES

Medida foi tomada como precaução no sábado e discutida nesta segunda-feira com demais secretarias estaduais – Foto: Priscila da Silva/SES

O secretário estadual da Saúde, João Gabbardo dos Reis, confirmou que segue suspensa a utilização do larvicida Pyriproxyfen em depósitos de água para consumo humano. A medida foi tomada como precaução no sábado e discutida nesta segunda-feira (15), em reunião com as secretarias estaduais de Obras, Saneamento e Habitação e do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Também estiveram presentes representantes da Emater e Corsan. A decisão de suspender a aplicação do produto em reservatórios de água também recebeu apoio integral do Conselho Estadual das Secretarias Municipais de Saúde do RS (Cosems/RS).

Em substituição ao larvicida, a Secretaria Estadual da Saúde (SES) recomenda a eliminação de possíveis criadouros do Aedes aegypti com a proteção física desses locais. Como o Rio Grande do Sul tem um alto índice de distribuição de água tratada, o pyriproxyfen já era pouco usado nessas situações. A aplicação do produto poderá ser efetuada apenas em locais onde a água não é destinada para o consumo, como em chafarizes e vasos de cimento localizados em cemitérios, por exemplo.

Conforme o titular da SES, João Gabbardo, o Estado optou por dar ênfase na precaução: “Nosso foco prioritário tem que ser o de evitar o criadouro, sem o uso de produtos químicos, dando preferência aos métodos mecânicos”, afirmou. Além disso, o secretário afirmou respeitar a orientação do Ministério da Saúde (MS) e dos demais estados que fazem uso deste produto, mas reiterou que a estratégia do RS é de não usar produtos químicos na água destinada ao consumo humano.