Protesto de caminhoneiros em Três Cachoeiras é o maior do Brasil

Imagem Ilustrativa – Valter Campanato/Agência Brasil

Imagem Ilustrativa – Valter Campanato/Agência Brasil

O bloqueio dos caminhoneiros na BR 101, em Três Cachoeiras, é o maior do Brasil, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal.

Estima-se que dois mil caminhões em uma extensão de 17km estejam no local.

A passagem dos veículos é impedida por manifestantes que permitem o tráfego apenas de carros e ônibus. Por volta das 9h desta quinta-feira, um oficial de justiça começou a notificar os caminhoneiros para que liberem a via.

A principal queixa do protesto são os recentes aumentos dos combustíveis, em especial do óleo diesel, mais usado para o transporte de cargas. O aumento de R$ 0,15 por litro do diesel e de R$ 0,22 por litro da gasolina, fixado no início do ano para garantir o aumento do superávit primário do governo, foi repassado ao consumidor em 1º de fevereiro.

O Presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca, informou que os tributos que incidem sobre o diesel representam elevação de 70% nos custos do combustível. Ele acrescentou que não há possibilidade de solução para a crise sem a redução desse percentual.

Fonseca lembrou que os maiores impactos sobre o diesel são provocados pelo Programa de Integração Social (PIS) e pela Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Confins).

Segundo a entidade, ligada à Confederação Nacional do Transporte (CNT), o novo valor representa aumento de 5,75% no preço do diesel comum e de 5,43% no preço do diesel S-10.

“Há muito tempo estamos alertando o governo sobre a situação do transporte rodoviário. Entregamos reivindicações, por meio das quais informamos que, se não mexerem nos penduricalhos do óleo diesel, baixando ou retirando tributos que incidem sobre ele, a situação sairia de controle. Como eles não mexeram para garantir mais R$ 12 bilhões em arrecadação, deu no que deu”, explicou.

“Agora vai fazer o quê? Tabelar o frete? Se fizerem isso, será o fim”, afirmou José da Fonseca.

Com informações da Agência Brasil e Redação Litoralmania