Professora da CNEC realiza estudo pioneiro em seu doutorado

25/11/2016

img-20161107-wa0005-860x395O que você sabe sobre controladores de tráfico aéreo? Esses profissionais são decisivos para que todas essas aeronaves cheguem a seus destinos. Eles foram os protagonistas de um estudo de doutorado desenvolvido no Instituto do Cérebro do Rio Grande do Sul – PUCRS. A psicóloga Ângela Maria de Freitas, autora do estudo, defendeu sua tese com dados sobre as funções executivas dos controladores, ou seja, as funções de maior complexidade no comportamento que possibilitam o controle das habilidades humanas como planejamento de ações sequenciais, padronização de comportamentos sociais e motores, comportamento emocional e memória operacional de trabalho.

A pesquisa de doutorado teve como objetivo relacionar os resultados do desempenho neuropsicológico com as características constantemente exigidas na atividade de controle de tráfego aéreo, como memória operacional, atenção e organização visuo-espacial. De acordo com Ângela, “esses fatores são determinantes para operações complexas como segurança do espaço aéreo”.

A autora, que foi orientada pela neuropsicóloga e pesquisadora do instituto, Profª. Drª. Mirna Wetters Portuguez e pelo diretor do InsCer, Prof. Dr. Jaderson Costa da Costa. A pesquisa apontou que os 52 controladores de tráfego aéreo avaliados apresentaram desempenho cognitivo acima da média em relação à população geral, e componentes como estresse e cansaço, embora existentes, não comprometem o desempenho destes profissionais. em sistemas complexos como segurança de tráfego aéreo, existe um conjunto de fatores preponderantes para o sucesso, tais como condições de trabalho, tecnologia e saúde mental e física.

O estudo é resultado de Acordo de Cooperação Técnica entre PUCRS e INFRAERO e foi co-orientado pela Profª. Drª. Thaís Russomano, do centro de microgravidade da PUCRS, com apoio da Faculdade de Ciências Aeronáuticas, com o prof. Dr. Elones Fernando Ribeiro. Os resultados obtidos, além dos testes aplicados, serão disponibilizados para a Infraero para que possam ser utilizados pelos profissionais da área de Segurança Operacional na melhoria dos processos relativos a fatores humanos.

* Em colaboração com o setor de imprensa da Infraero e InsCer (Instituto do Cêrebro)