O sonho de Ícaro – Por Jayme José de Oliveira

26/08/2016

“Eu afirmo, categoricamente, que as máquinas voadoras mais pesadas que o ar são impossíveis”. (Lord Kelvin, pai da termodinâmica e um dos físicos mais prestigiados do século XIX)

Felizmente houve iconoclastas que reduziram a escombros esta teoria. Dédalo, arquiteto e inventor ateniense construiu o labirinto de Creta para o rei Minos. Caiu em desgraça após Teseu matar o Minotauro e fugir seguindo o fio (fio de Ariadne) que desenrolara durante o trajeto. Enraivecido, Minos prendeu Dédalo e seu filho Ícaro no labirinto. Dédalo construiu asas para o filho com penas de aves, colando-as com cera. Desobedecendo as recomendações do pai, Ícaro alçou voo até chegar perto do sol, a cera derreteu, caiu no mar e pereceu afogado.

Sem título

A lenda representa o sonho antigo da humanidade: dominar o espaço e, quiçá, alcançar as estrelas.

O alemão Otto Lilienthal realizou diversos experimentos exitosos com planadores, entre 1.891 e 1.896.

Em 17 de dezembro de 1.903 os irmãos Wilbur e Orville Wright colocaram um motor no aparelho e, com o impulso duma catadupa, fizeram sua primeira decolagem bem sucedida.

Enquanto isso, Santos Dummont se tornou uma celebridade ao contornar a Torre Eiffel com seu balão dirigível nº 6 em 1.901. Em 12 de novembro de 1.906 realizou o primeiro voo público de uma máquina mais pesada que o ar, sem recorrer ao auxílio de catadupa, com seu 14-bis. Ao percorrer 220 metros sem tocar o chão por sobre o campo Bagatelle, na França, ele estabeleceu o primeiro recorde oficial da aviação. Em 1.909 Santos Dummont realizava seus voos mais expressivos com o pequeno Demoiselle, o precursor direto dos ultraleves modernos. Ele já tinha lemes na porção traseira da aeronave, diferentemente do 14-bis e dos aviões dos Wright e mantinha a tradição dum trem de pouso com rodas. Naquele mesmo ano Louis Blériot faria a travessia do Canal da Mancha de avião. Em 1.910 os irmãos Wright incorporaram as inovações europeias no seu FlyerModel B, que se tornava o primeiro avião a ser fabricado e vendido.

Não tardou para que diversas nações notassem suas possíveis aplicações em conflitos bélicos.

Charles Augustin Lindbergh foi um pioneiro da aviação estadunidense e ficou famoso por ter realizado o primeiro voo solitário sobre o Atlântico sem escalas com seu avião, o Spiritof St. Louis. Partiu do Condado de Nassau, Estado de Nova Iorque em direção a Paris, França, em 20 de maio de 1.927, tendo pousado na capital francesa no dia seguinte pós 33 horas e 31 minutos.

O AVIÃO NÃO TEVE UM ÚNICO “PAI”, MAS SIM DIVERSOS INVENTORES QUE AJUDARAM A AMADURECER TECNOLOGIA.

Esses foram os passos iniciais da epopeia que, supõe-se, culminará na conquista do espaço e, possivelmente, a expansão da raça humana pelo Universo.

Será o mote para próximas colunas.

Dados para esta coluna foram pesquisados na revista Superinteressante, edição 363-A e no Google.

Jayme José de Oliveira  – Capão da Canoa – RS – Brasil

(51)98462936 – (51)81186972

cdjaymejo@gmail.com