Autorizada a obra da Estação de Tratamento de Esgoto de Capão da Canoa

11/06/2016
Foto: Daniela Barcellos/Palácio Piratini

Foto: Daniela Barcellos/Palácio Piratini

A ordem de início para as obras de construção da Estação de Tratamento de Esgoto Guarany (ETE) foi assinada, nesta sexta-feira (10), na prefeitura de Capão da Canoa. O ato contou com a participação do governador José Ivo Sartori e do presidente da Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan), Flávio Presser.

A obra que conta com investimento de R$ 23 milhões, via FGTS/Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), será responsável pela implantação de dois dos quatro módulos que vão compor a Estação. Cada módulo terá capacidade de tratar 64 litros de esgoto por segundo. Esta primeira etapa totaliza 128 litros de esgoto por segundo que irão para tratamento, beneficiando aproximadamente 80 mil pessoas de Capão da Canoa, além da população flutuante durante a temporada de verão.

Sartori afirmou que a estação representa melhoria na condição de saúde e preservação do ambiente. “Para a comunidade, começa a se implementar uma melhora na qualidade de vida. Estamos aqui plantando uma semente do que deve ser o futuro em termos de saneamento”, assegurou o governador.

Os investimentos da Corsan em outros municípios ambém foram lembrados pelo governador. Em Tramandaí são aproximadamente R$ 40 milhões para obras de ampliação do sistema de esgotamento sanitário e implantação de redes coletoras e estação de tratamento de esgoto. Em Osório, já foram investidos mais de R$ 20 milhões, com recursos do PAC 1, em obras de esgotamento sanitário. Sartori falou que municípios como Torres, Xangri-lá, Santo Antônio da Patrulha, Imbé e Capão da Canoa também serão beneficiados.

Para o presidente da Corsan, Flávio Presser, esta é uma obra de extrema importância para a cidade. “Vamos dobrar a capacidade de tratar esgoto em Capão da Canoa. Essa é uma das obras do conjunto de investimentos da Corsan no Litoral Norte, na ordem de R$ 250 milhões”, afirmou Presser.

O prefeito de Capão da Canoa, Valdomiro de Matos Novaski, falou que a obra é uma solução para um problema de 20 anos, do município. “Tratar esgoto é um problema em muitos municípios e essa iniciativa do governo do Estado e da Corsan vai trazer benefícios para a sociedade”, ressaltou.

Convênio Corsan e município de Imbé

Também foi assinado um convênio, entre a Corsan e a prefeitura de Imbé, de repasse de R$ 723.577,11 para a repavimentação de vias onde ocorreram obras do Sistema de Esgotamento Sanitário do município.

O convênio compartilha com o município a responsabilidade pela repavimentação das vias pós-obra, reduzindo os transtornos para ambas as partes e minimizando os impactos para a população.

Plano de Investimentos da Corsan no Litoral

A Corsan está investindo cerca de 250 milhões em obras no litoral, sendo 80 milhões em água e 170 milhões em esgoto. A Estação de Tratamento de Esgoto em Imbé, cuja ordem de início foi dada no mês de fevereiro, e a ETE de Capão da Canoa, além da modernização das ETEs de Tramandaí e Xangri-Lá estão nesses investimentos.

No planejamento da Corsan, os municípios de Capão da Canoa, Tramandaí, Imbé e Xangri-Lá são considerados zona crítica, em razão do alto impacto populacional, e por isso são fundamentais no planejamento do saneamento básico da região. Além dessas grandes áreas urbanas, também foram integrados os pequenos balneários onde predominam residências unifamiliares. Para essas áreas, o sistema de coleta de esgotos se dará por tanques sépticos individualizados, construídos pelos moradores segundo as normas técnicas brasileiras e cadastrados nas prefeituras, que deverão fiscalizar sua implantação e responsabilizar-se pela coleta do lodo produzido. Esse lodo será tratado na Estação Guarany, que é a estação de tratamento mais central dentro da zona crítica e do Litoral Norte, que possui a maior área disponibilizada para bacias de infiltração e que está inserida dentro da área mais densamente povoada.

Cassiane Osório