A supermáquina 2 – Por Jayme José de Oliveira

19/05/2016

Jayme José de OliveiraNa coluna anterior explicitamos, em rápidos traços, a vida como o pináculo do universo. Nada pode se comparar. Nesta pretendemos realçar o cabedal de recursos que possui para se defender das agressões de todos os tipos que intentam destruí-la.

Os seres vivos possuem um complexo sistema direcionado a mantê-los saudáveis e, quando agredidos, para reagir, repelir e reparar os danos causados. O carro-chefe é o Sistema Reticuloendotelial, auxiliado por coadjuvantes indispensáveis. Todos procuram coordenadamente preservar a vida com saúde e quando ocorrem agressões, as mais diversas e cooperam na regeneração quando ocorrem lesões, naturais ou provocadas

SISTEMA RETICULOENDOTELIAL

Sistema reticuloendotelial (SRE) é o sistema orgânico constituído por células que, situadas em diferentes locais do organismo, têm características defensivas específicas e são dotadas de capacidade fagocitária  (destroem germes e partículas estranhas ao organismo), intervém na formação de células sanguíneas, no metabolismo do ferro, além de desempenharem funções de defesa contra infecções generalizadas. O tecido reticular encontra-se no fígado, baço, nódulos linfáticos e medula óssea.

MITRIDATISMO

Mitridatismo é a capacidade de resistência às substâncias tóxicas, adquirida graças à ingestão de doses progressivamente crescentes de determinado veneno. Ocorre, por exemplo, nos profissionais que manipulam substâncias tóxicas no exercício de seu trabalho. Mesmo que possam resistir, aos poucos, seu organismo vai sendo minado e, principalmente o fígado sofre as consequências danosas, podendo mesmo o câncer ser a consequência final.

Outros, como os alcoólatras derivam para a esteatose, acúmulo de gordura no fígado. Metais pesados como o mercúrio e o cádmio agridem o cérebro. São irreversíveis os danos causados. A contaminação por mercúrio da baía de Minamata, Japão, em 1.968, desencadeou uma reação mundial e resultou numa fiscalização severa para evitar novos desastres ecológicos com vítimas humanas, inclusive transmissíveis aos descendentes.

ANAFILAXIA1

A anafilaxia1 é uma reação alérgica2 generalizada, abrupta e severa a uma determinada substância, nesse caso chamada de “alérgeno”, para a qual o organismo esteja previamente sensibilizado. O tipo mais grave de anafilaxia1, o choque3 anafilático, termina geralmente em morte caso não seja imediatamente tratado. Nesses casos, diferentes tecidos do corpo liberam histamina4 e outras substâncias que causam uma verdadeira “tempestade” fisiológica5 que desorganiza todo o funcionamento orgânico6.

Qual a causa da anafilaxia1?

A reação anafilática9 pode ser provocada por quantidades minúsculas de substâncias alergênicas que sensibilizam o organismo tornando-o intolerante. As mais comuns são certos alimentos, alguns medicamentos, picadas de insetos, transfusões de sangue10 ou derivados. A reação anafilática9 se desencadeia rapidamente quando o alérgeno11 alcança a corrente sanguínea, reagindo com seu respectivo anticorpo12.

DOENÇA AUTO-IMUNEO QUE É IMUNODEFICIÊNCIA

Imunodeficiência (ou deficiência imunológica) é um estado no qual a capacidade do sistema defensivo do organismo para combater doenças infecciosas é comprometida ou completamente ausente.

A maioria dos casos de imunodeficiência são adquiridos (secundários) mas algumas pessoas nascem com defeitos no sistema imunológico, ou imunodeficiência primária, como a Esclerose Múltipla.

Pacientes transplantados tomam medicamentos para suprimir seu sistema imunológico como uma medida antirrejeição, assim como alguns pacientes que sofrem de um sistema imunológico exageradamente ativo. A Ciclosporina é um medicamento indicado na prevenção da rejeição em transplante de órgãos e no tratamento de doenças autoimunes. Sem esse medicamento e outros do mesmo gênero, seria impossível o procedimento de transplantes porque os órgãos transplantados, não reconhecidos pelo organismo receptor, seriam rejeitados.

Uma pessoa que tem uma imunodeficiência de qualquer tipo é dito “um ser imunocomprometido”. Uma pessoa imunocomprometida pode ser particularmente vulnerável a infecções oportunistas, além de infecções normais que podem afetar a todos, porém sem apresentar as consequências mais sérias, inclusive a morte.

Causada pelo HIV (vírus da imunodeficiência humana), a Aids não costuma dar sintomas a não ser numa fase mais avançada da doença. Ela enfraquece o sistema imunológico do ser humano, deixando-o mais vulnerável a outras doenças e à contaminação por tipos variados de vírus e outros micro-organismos.

A pessoa contaminada pode demorar até dez anos para desenvolver algum sinal da doença. Isso significa que alguém aparentemente saudável pode estar contaminado e apto a transmitir o vírus. A única maneira segura de fazer o diagnóstico da infecção é pelo exame periódico de sangue.

Em estágio avançado, o doente costuma manifestar sintomas de outras doenças, causadas por vírus ou bactérias que se aproveitam da fragilidade do organismo para se manifestar. As doenças mais comuns são pneumonia e sarcoma de Kaposi – espécie de câncer de pele.

TEMPO DE VIDA

O tempo de vida depende das características de cada ser. Pode ser inferior a 24 horas como nos Efemerópteros ou mesmo ilimitado como na Turritopsis Nutricula que só morre quando vítima dum predador.

Coluna posteriores serão dedicadas ao assunto, dando especial atenção aos estudos que estão sendo desenvolvidos no sentido de prolongar nossa existência no planeta.

Apresentação1 EFEMERÓPTERO

Jayme José de Oliveira  – Capão da Canoa – RS – Brasil

(51)98462936 – (51)81186972

cdjaymejo@gmail.com